[editar artigo]

Como as métricas podem ajudar na escolha do nome da sua startup

Não vire o ano espremendo seu cérebro pensando em um nome para sua startup. Aqui vai uma pista diretamente do maravilhoso mundo das métricas.

A inicial do nome da sua startup deve começar com V, P ou I. Mas se você está visando um aporte milionário, eu aconselho utilizar um nome que comece com S. Calma, isso não é numerologia. Isso é análise fundamentada. É ciência, my friend!

Veja:

Selecionando uma base de 57 startups que receberam aporte em 2014, cruzei a freqüência de vezes das iniciais utilizadas versus o montante de aporte recebido para cada uma das iniciais.

nome da sua startup

*Os montantes zerados são resultantes de aporte não divulgado.

Como não queria que esses valores zerados prejudicassem, resolvi criar um coeficiente, atribuindo 75% do peso para a freqüência e somente 25% para o valor do aporte.

=(B5*0,75)+(D5*0,25)

Isso explica porque na classificação geral a letra “S” mesmo com um maior montante, ficou abaixo da letra “E”.

Distribuindo isso em um gráfico de dispersão fica mais fácil analisar quais as iniciais você deve priorizar. Quanto mais para a direita e para cima, melhor!

nome da sua startup

O nome da sua startup!

O Ranking das 6 iniciais mais bem posicionadas no coeficiente é

nome da sua startup

Voilá! Está aí minha contribuição.

Agora, se você está pensando que isso é uma análise louca e sem sentido, você está certíssimo. Mas não achei forma mais fácil de provar como Big Data pode ser algo palpável e aplicável.

Big Data não quer dizer necessariamente trabalhar com Terabytes de dados. Não tem tanto a ver com quantidade, mas sim a possibilidade de transformar qualquer tipo de dado gerado em algo passível de se analisar.

Nesse caso, eu transformei uma pilha de artigos de sites como Startupi, PEGN, Exame e outros em uma base de dados estruturados.

nome da sua startup

Big Data é uma arte com dados. Não deve ser enxergado como algo intocável. Os dados estão aí. Disponíveis para todos. Se você gosta do assunto, recomendo o livro Uncharted – Big Data as a Lens on Human Culture. O livro ainda não tem tradução para português, mas vale o esforço. São diversos casos brilhantes de como Big Data é muito mais prático do que falam por aí.

Quero ouvir de vocês, situações em que vocês transformaram dados em incríveis insights.

Abraços e um excelente fim de ano, mas um início de ano melhor ainda!

Fé para desbravar o desconhecido!

*Coluna por Matheus dos Santos

Oi, me chamo Matheus dos Santos e sou um entusiasta do maravilhoso mundo das métricas. Já trabalhei com auditoria, mas foi em 2012 que descobri que poderíamos traduzir em números (e mais recentemente, palavras) o comportamento das pessoas na internet. Passei pela Cardinal Path, Agência Click Isobar, mas foi na Upwell que vivi na pele a necessidade de usar as métricas para contrapor a intuição do empreendedor. Hoje sou parte do time Sebrae e agora também colunista Capivalley, onde pretendo compartilhar conhecimento sobre as melhores formas de traduzir métricas nos seus experimentos.

COMPARTILHE
Marcus Pereira

Marcus Pereira

Community Manager - Capivalley

login modal