Dicas essenciais ao começar uma startup: parte 1
[editar artigo]

Dicas essenciais ao começar uma startup: parte 1

O que eu gostaria de ter ouvindo quando comecei minha primeira startup?

Já se foram 8 anos e duas startups. Tem algumas coisas que gostaria que tivessem me falado quando comecei, mas naquela época eu não conhecia pessoas mais experientes e o ecossistema de startups nem existia. Não havia Capivalley, Startupi, nem Lean Startup, nem Startup Brasil, nem Canvas, nem aceleradoras, nem startup Pirates nem nada. Foi tudo na base da raça e dos erros, muitos erros.

No meu primeiro negócio, o Acessozero, passei por todos os ciclos que um negócio poderia ter… tirar a idéia do papel, lançar o MVP, captar investimento, contratar gente, captar mais investimento, contratar mais gente, impactar milhares de usuários, sofrer competição predatória e severa, quase quebrar, quase ficar rico, quase quebrar novamente, quase ficar rico novamente, sair em revista, vender a empresa para um grande competidor.

Sempre digo a amigos que se tivesse a experiência que tenho hoje, teria feito o mesmo com 1/4 do tempo e dinheiro que investimos no negócio. Ou com o mesmo investimento poderíamos ter ido muito, muito mais longe.

Empreender pela primeira vez foi uma baita escola que me proporcionou muitos aprendizados, contatos profissionais, experiência, jogo de cintura, grana e a idéia para eu começar meu segundo negócio.

Com o Pipefy está tudo indo muito mais fácil, pois tive alguns aprendizados que gostaria de compartilhar com vocês. Lá vai o primeiro:

Executar não é prosperar, nem de longe

Lembro até hoje a sensação do dia em que terminamos a logo do Acessozero, senti uma sensação de que tudo daria certo, que estávamos indo super bem. Essa energia boa só aumentava quando colocamos nosso site no ar, alugamos nossa sede, os móveis iam chegando, pessoas sendo contratadas… Quando saímos no jornal pela primeira vez então… nossa, era só felicidade.

Vamos chamar o que estava movendo todas essas coisas boas de algo quantificável chamado COMBUSTÍVEL. Na nossa metáfora esse COMBUSTÍVEL pode ser todo tipo de ativo como dinheiro, tempo, atenção, energia, pessoas, colaboração, motivação e etc. Estávamos injetando COMBUSTÍVEL no negócio.

O que eu não tinha maturidade para perceber é que, essa prosperidade era artificial e que na verdade eu estava somente queimando esse COMBUSTÍVEL… Para tentar explicar a situação pela qual passei, preciso de uma metáfora: Imagine-se tentando acender a sua churrasqueira pro almoço de domingo.

combustível para startup

Em um cenário você só tem o carvão e uma caixinha de fósforos. No outro, tem o papel da embalagem do carvão, jornal, ventilador, secador de cabelo, acendedor de carvão, álcool, óleo, querosene, gasolina, papel seco, maçarico, caixas e caixas de fósforo e tudo o que possa imaginar.

Considerando que o objetivo é conseguir aquele fogo inicial, a base para queimar todos os quatro sacos de carvão do churrasco, no primeiro cenário você fica preocupado, pois sabe que com certeza encontrará dificuldades. No segundo você nem se importa, fica praticamente 100% seguro de que o churrasco está garantido.

Meu primeiro erro foi não ter maturidade para perceber que tudo o que estava acontecendo no começo era consequência do COMBUSTÍVEL (tempo, dinheiro, pessoas e etc) que estávamos injetando no negócio. Eu me sentia prosperando pelo fato de estar jogando tudo quanto é tipo de coisa dentro da churrasqueira, achando que o fogo já estava ok.

Fazer uma startup decolar é muito parecido com acender o carvão do churrasco, só que é muito mais demorado e complexo. Pode acontecer do carvão estar úmido - e no caso de uma startup, vai estar… porque até você encontrar o caminho certo e o jeito certo de fazer as coisas quase sempre demora muito mais tempo do que você imagina.

Todas as formas e tentativas de fazer o fogo pegar  - um bom nome, boas projeções financeiras, uma sede legal, um bom site, as pessoas boas sendo contratadas - são somente o combustível que você usa para tentar fazer o negócio decolar. Não engane-se ou perca o foco de buscar o que realmente importa: aquele fogo autônomo que não precisa mais da sua ajuda para ficar acesso. Numa startup chamamos esse fogo de tração.

A única coisa que diz de verdade se o seu negócio vai dar certo ou não é tração: cada vez mais clientes consumindo seu produto ou serviço. É como se fosse uma inércia, aquele embalo que você sente quando começa a descer uma ladeira. A prosperidade só virá se o seu negócio embalar, tiver tração. Todo o resto é secundário.

Validar o modelo de negócios em eventos de startups, sair num blog ou jornal, fazer um milhão de canvas e planilhas com projeções, contratar seus primeiros membros do time, deixar sua sede legal, lançar uma nova feature, até mesmo conseguir um investidor são COMBUSTÍVEIS. tudo isso é bacana e motivador, mas não é são chama de que o seu negócio tanto precisa, são só o meio pra te ajudar a chegar lá.

Não confunda as coisas.

COMPARTILHE
Alessio Alionço

Alessio Alionço

Founder & CEO Pipefy | The process excellence platform

Artigos relacionados

login modal