Entrevista: André Marim - CEO e founder @ Fleety
[editar artigo]

Entrevista: André Marim - CEO e founder @ Fleety

Nesta segunda-feira a aceleradora de startups Abril Plug and Play anunciou os nomes das quatro empresas selecionadas para sua segunda turma de aceleração - cada uma delas vai receber R$140.000, três meses de incubação em São Paulo, e mais três no Vale do Silício. Entre os vencedores, representando o ecossistema do Paraná, lá estava o pessoal do Fleety.

Natural de São Paulo, mas radicada em Curitiba a startup foi a primeira a integrar o iCities, centro de inovação para cidades inteligentes, e desde então já vinha operando na cidade. Depois de ser a grande vencedora do Desafio Senai de Startups 2014, e de ser aprovada no Startup Brasil, a aprovação na Abril Plug and Play vem para coroar um ano de 2014 excelente para a empresa - que por sinal já havia sido notícia aqui.

Por isso, para comemorar esse conquista deles nós fizemos uma entrevista exclusiva com o André Marim, CEO e fundador da empresa. Ficou super bacana, e está na íntegra abaixo. Boa leitura!

Por que você resolveu empreender? Qual a(s) sua(s) motivação?

Resolvi empreender pela inquietação, que você costuma sentir quando se dedica a alguns segundos de reflexão sobre o que tem feito da vida. Tenho tido essa inquietação desde que passei a entender que somos autores de nossa própria história - o que no meu caso aconteceu no ensino fundamental quando tive a consciência que a escolha em ser um “bom” ou “mau” aluno era minha, tanto quanto suas consequências. Ao longo do tempo essa simples noção vai amadurecendo, evoluindo, expandindo e começa a te mostrar que não há limites para aquilo que realmente você queira. Eu quero impactar vidas, mudar hábitos, quebrar o status quo pensando em tracionar as pessoas para uma realidade melhor. É isto que me motiva diariamente: saber que a minha jornada agrega valor. 

Quais você acredita serem as maiores dificuldades enfrentadas por empreendedores?

Eles próprios. Não há nada mais nocivo na vida empreendedora do que a própria não convicção de seu empreendimento. Óbvio que há inúmeros outros fatores que adicionam dificuldade durante a caminhada, mas certamente se o empreendedor mantêm a pegada firme vai transpor um por um, independente de quais sejam. Há uma citação do Steve Jobs que gosto muito que diz “Estou convencido de que cerca de metade do que separa os empreendedores de sucesso daqueles mal sucedidos é a pura perseverança”. Para mim a força motriz de uma nação passa pela força do empreendedor e quanto mais nos atermos às dificuldades em se empreender, mais iremos limitar nosso potencial e destino. Por isso procuro sempre não saber das dificuldades, e quando alguma delas cruza meu caminho empreendedor eu simplesmente mantenho a passada firme tendo muito claro onde quero chegar. Mantenho esta linha de raciocínio principalmente depois que me apaixonei por uma citação que muitos atribuem a Jean Cocteau “Não sabendo que era impossível, foi lá e fez”. 

fleety

De onde surgiu a ideia do Fleety? Por que o mercado de compartilhamento?

Um dos sócios fundadores do Fleety, Israel Lot, teve a oportunidade de morar alguns anos na Itália e lá pode ver o surgimento muito forte dos sistemas de compartilhamento de veículos na modalidade B2C (Business to Consumer): quando uma empresa é proprietária dos veículos e os disponibiliza para locação por hora em diversos pontos da cidade. Em Janeiro de 2013, quando ele retornou ao Brasil, passamos a conversar, juntamente com o Clayton Guimarães (também sócio fundador do Fleety) e amadurecemos a ideia de tornar viável que proprietários pessoas físicas também pudessem disponibilizar seus carros para locação no período em que não estivessem sendo utilizados. Para nós foi uma verdadeira injeção de adrenalina vislumbrar os incríveis impactos positivos que poderíamos agregar à vida das pessoas e ali, nesse contexto, já não tínhamos mais dúvidas sobre o que precisava e devia ser feito. Começamos a marchar desde então.

Esse foi um ano de muitas conquistas para o Fleety. Desafio Brasil, Abril Plug and Play, Startup Brasil. A quê você atribui essas conquistas?

Todo o mundo empreendedor tem muito claro que são as pessoas que fazem a diferença. No Fleety é igual. Atribuo não somente estas conquistas ao nosso time, como também todos os demais resultados: desde um agradecimento de um usuário satisfeito com a plataforma ou uma parceria estratégica com uma nova empresa. Trabalhamos o conceito de Dream Team no Fleety e não temos dúvidas que pessoas qualificadas trabalhando juntas atingem resultados espetaculares. Aqui faço um adendo fundamental! Em nossa trajetória de dois anos colecionamos pessoas deste rico ecossistema, que direta e indiretamente, foram excepcionais! Tenho certeza que cada uma delas sabe o quão fundamental foi para nossa jornada e quanto ainda mais será pela frente. É um prazer seguir avançando com elas. 

Enquanto CEO, como você enxerga essas conquistas? E como conter a euforia do time?

Foram essenciais para chancelar nosso caminho até então. Toda empresa depende constantemente de feedbacks para planejar e seguir com os próximos passos, e essas conquistas nos mostraram que estamos no caminho certo e que devemos continuar acelerando e avançando ainda mais! Eu costumo dizer que euforia não deve ser contida, ela é uma delícia, mas deve sim ser canalizada para os próximos objetivos. Foco é fundamental e só é possível ter um foco firme se todos sabem exatamente onde se quer e se deve chegar. Por isso em nossas reuniões internas, procuramos trazer ao conhecimento de todos quais são os objetivos e visões a curto, médio e longo prazo e como as atividades de cada um impactam nos objetivos. Isso gera um empoderamento de tal forma, que todos do time sabem que são fundamentais para o avanço e sucesso da empresa.

fleety na abril - andré marim

Qual foi um dos momentos mais chaves na história do Fleety?

Foram tantos acontecimentos importantes que fica até complicado escolher aquele mais chave. Cada acontecimento foi fundamental ao seu momento. Contudo posso ressaltar um em especial. Como disse anteriormente são pessoas que fazem a diferença e foi uma pessoa muito especial para nós que ajudou a trilhar nossos primeiros passos: seu nome é Dalmir Ogliari. Foi o Dalmir que contribuiu fundamentalmente para nossa vinda para Curitiba, oferencendo os primeiros suportes com mentoria, apresentação a agentes locais, e etc. E o mais importante: ver sua extrema dedicação suando junto com a gente diariamente desde o momento zero! Como dizem por aí, ele "comprou" nossa ideia. Certamente não há como contar a história do Fleety sem ressaltar este período tão incrível! 

Vocês tem um problema bom: foram aprovados na Plug n’ Play e no Startup Brasil. Como vão fazer para escolher qual dessas oportunidades aproveitar?

Realmente foi um problema muito bom! Estudamos a fundo todas as oportunidades e balizamos nossa decisão de acordo com nossos planejamentos e objetivos estratégicos. Essencialmente ponderamos questões como investimentos, exposições e introduções ao mercado, potencial de intermediação com outras empresas para parcerias estratégicas e, claro, mentoria e foco na lapidação do product market-fit. Enfim, avaliamos os principais pilares que compões um processo de aceleração como um todo.

Vocês foram a primeira startup a integrar o iCities, aqui em Curitiba. Para vocês qual o significado e os benefícios de integrar um centro voltado a cidades inovadoras?

Existe um livro chamado "Outliers", do Malcolm Gladwell, que cita a importância de agentes chave para a construção do sucesso de pessoas e empresas. Certamente um dos agentes chave na história do Fleety foi o iCities, através de seu Centro de Inovação que proporcionou desde o início uma integração do Fleety ao ecossistema local, fornecendo os subsídios necessários para o avanço da empresa. O fato de serem focados em soluções para cidades inovadoras foi fundamental para o alinhamento e suporte nos objetivos estratégicos, além da intermediação com empresas do ramo de Smart Cities com as quais já possuíam relacionamento. É mais uma das peças essenciais que compõe um ecossistema empreendedor e fazem o diferencial curitibano.

Vocês originalmente não são do PR. Porque escolheram justamente Curitiba para lançar o Fleety?

O ecossistema Curitibano de empreendedorismo se apresentou mais adequado às nossas necessidades. Passamos um período em outros ecossistemas porém nunca havíamos experimentado um que realmente conectasse os principais agentes com pessoas tão dispostas a fazer acontecer, no melhor regime "vale siliciano" de altruísmo empreendedor. Em Curitiba as coisas simplesmente acontecem e da forma mais brilhantemente caótica que todo ecossistema demanda. Com certeza ainda precisa melhorar, mas o alicerce já existe e está muito robusto. Não tenho dúvidas que daqui sairão empresas de sucesso mundial!

fleety no desafio br

Depois de um 2014 muito bom, quais os planos para 2015 do Fleety?

Brinco que a recompensa de um bom funcionário é mais trabalho. Não é diferente para empresas e certamente o ano de 2015 será de muito suor e dedicação, afinal o desafio se torna diariamente maior, tanto quanto nossa competência para transpô-los. Temos alguns pontos chaves a atingir em 2015, como intensificar ainda mais o processo de refinamento operacional, expandir o Fleety para outras localidades e iniciar a exploração de novos ramos da mobilidade inteligente através do compartilhamento. 

Muitas iniciativas estão surgindo nesse mercado de consumo colaborativo. A pergunta que não quer calar: 2015 será o ano da economia de compartilhamento?

É fato que a economia do compartilhamento é relativamente recente, e mesmo jovem tem mostrado um imenso potencial. Eu diria que estamos na década da disseminação dessa nova economia e certamente o ano de 2015 será espetacular nesse sentido, principalmente com grandes players se consolidando cada vez mais, e fazendo frente com setores tradicionais seculares. Cada vez mais pessoas conhecem sistemas disruptivos de compartilhamento de alguma coisa (carro, casa, tempo, ferramentas, etc). Uma vez que se tem um usuário inserido em algum serviço de compartilhamento, ele praticamente adere aos demais. O compartilhamento é muito mais que uma economia, é um novo comportamento de vida. 

Para finalizar, se você pudesse deixar um conselho para novos empreendedores, qual seria?

Empreender é mais duro do que parece, mas enquanto você continuar a acordar com a certeza de que está onde realmente gostaria não será suar sangue que te parará.

COMPARTILHE
Marcus Pereira

Marcus Pereira

Community Manager - Capivalley

Artigos relacionados

login modal