{{ warning.message }} Ver detalhes
Os erros que podem significar a morte da sua startup
[editar artigo]

Os erros que podem significar a morte da sua startup

Todo startuper que se preze conhece - ou pelo menos já ouviu falar - de um cara chamado Steve Blank, professor de Stanford e guru do empreendedorismo, conhecido por ser um dos caras que criou a metodologia de desenvolvimento de clientes, uma das bases para o método da Startup Enxuta. Autor de livros com o Four Steps to Epiphany, Steve Blank mantém também um blog onde ele compartilha uma série de aprendizados gerados a partir da sua experiência em Stanford na sala de aula e também em mentorias para empreendedores no Vale do Silício.

Todos sabemos que muitas startups acabam morrendo por cometerem erros fatais. Sabendo que muitas startups cometem erros semelhantes, especialmente nos estágios mais iniciais, Steve reuniu em uma lista aqueles erros que ele considera os mais fatais para qualquer empreendedor e sua startup. Veja alguns que separamos e aprenda como evitar.

Os erros fatais para uma startup

1. Supor que você sabe o que o cliente quer

O primeiro deles e com certeza o mais mortal é o empreendedor acreditar cegamente que entende quem é seu público, o que ele quer e como deve trabalhar para impactá-lo.

Segundo Blank qualquer um saberia identificar que no começo do trabalho uma startup não tem nenhum cliente, e tampouco poderá dizer com exatidão outros fatores como segmentos de clientes, problema a ser resolvido e modelo de negócios. Como a própria definição dele diz, uma startup iniciante é um empreendimento construído a partir de suposições. A solução? Sair do escritório e ir para rua validar com usuários reais com objetivo de transformar hipóteses em fatos.

2. Achar que sabe quais recursos desenvolver

Seguindo a mesma lógica do primeiro ponto, o segundo tem uma relação maior com o produto. Presumindo que conhecem seus clientes, os empreendedores acabam assumindo que sabem qual produto criar e com quais características.

Quando isso acontece o resultado é uma equipe desgastada, que trabalho muito e desenvolveu um produto cheio de recursos, que ninguém usa. Sem feedback de usuários reais não há como construir produto algum.

3. Focar na data de lançamento

Naturalmente quando falamos sobre o lançamento de um produto, tendemos a focar em uma data para fazer isso. No entanto, para uma startup, a data só significa o dia em que a primeira entrega será feita ao cliente. Não quer dizer que a startup conhece o cliente, o mercado ou qualquer outro fator. E por isso nenhuma expectativa deve ser gerada a partir desta data.

4. Enfatizar execução em vez de testes, aprendizagem e repetição

Quando uma empresa já está com um modelo de negócios estabelecido ela pode então focar seu trabalho na execução daquilo que já dá certo. Para uma startup, no entanto, como seu modelo ainda não está estabelecido, o foco deve estar nos testes e no aprendizado gerado a partir deles. Focar na execução e entrega de um produto ou serviço com base em hipóteses iniciais e não testadas é um caminho direto para fechar as portas da empresa.

5. Bolar um plano de negócios que não permite tentativa e erro

Planos de negócios fornecem aos fundadores um caminho certeiro, com metas claramente definidas que poderão ser alcançadas. O problema é que, em geral, elas não permitem tentativa e erro, a base para uma startup que está em busca do seu modelo de negócios repetível e escalável.

6. Confundir cargos com as necessidades de uma startup

É muito comum vermos por aí CEOs e CTOs em startups. Blank relembra na sua lista que estes são cargos em uma empresa que está executando um modelo de negócios conhecido e validado. Atividades de empreendedores em startups não devem ser rotulados com cargos, mas sim suprir demandas e necessidades da empresa.

Se pararmos para analisar a maior parte desses erros diz respeito às crenças do empreendedor. Ou seja, quanto mais você conversar com seus possíveis clientes, coletando todo o feedback possível, tanto maior será sua chance de sucesso. Agir com base em pressupostos que não foram testados pode ser sim o maior dos erros para qualquer empreendedor.

Como diria Blank, "o problema real é o fato de que nenhum plano de negócios sobrevive ao primeiro contato com o cliente. As premissas em um plano de negócios são só uma série de hipóteses não testadas. Quando os resultados reais entram em cena, as startups inteligentes mudam seu modelo de negócios com base nos resultados." Simples assim.

via Endeavor / Steve Blank
Marcus Pereira

Marcus Pereira

Mkt Digital e Conteúdo @ Beracode

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Novo post

Artigos relacionados